terça-feira, 10 de setembro de 2013

Ária costumeira

Pássaro que não se acha
Onde desperto sozinha
Sou mais que uma

Entre barulhos variados
Cada quarto com seu som
Som de tudo, som de nada

Vivendo pela ária do ser
Pelo abraço descompromissado
E sobretudo pelo estado de graça

Notas musicais de rotina
Ora minhas, ora suas





Um comentário:

Mateus Henrique disse...

Achei pelo nome. legal!