sexta-feira, 7 de novembro de 2008

"Quando o fogo se apagar é melhor você aprender a fingir.
É melhor se elevar do que sumir."

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Estórias de Sara

Ele parecia inteligente, sei lá, um cara vivido. Me olhava como se nunca tivesse me visto antes. E eu gostava dessa sensação. Normalmente, eu penso muito antes de falar. Mas, com ele não. A coisa fluía sem eu me atrapalhar. E acho que ele logo percebeu. Talvez, tenha sido esse meu erro. Esquecer da pose feminina da primeira vez.

Bom, noite adentro, ele começou a puxar a cadeira mais para o lado. Eu, boba nem nada, não puxava mais para perto, mas também não saia do lugar. Quando senti o momento chegando, um amigo entrou na conversa: - Sara, fulano está aqui! Um pouco sem graça, ele me olha. Eu mais ainda. Embora, com toda a educação que os meus pais me deram, simplesmente ri. Meu amigo já estava pra lá de bêbado, e acho que essa foi minha melhor desculpa.

Muita cerveja não combina comigo. Tenho sempre que fazer ponte aérea entre o sofá e o banheiro. Então, eu fui mais uma vez. Maldita vez. Quando voltei uma menina estava lá conversando com ele. Senti um certo ciuminho não vou mentir. Mas como toda mulher, sei ser atriz quando é preciso. Me sentei ao lado deles e a cumprimentei como se fosse minha melhor amiga. Dei risada das suas piadas sem graça. Até o ponto de a situação ficar ridícula.

Estávamos parecendo duas hienas brigando por um pedaço de carne. Resolvi me abster da disputa. Me levantei e fui conversar com uns amigos. Não demorou muito para ele vir atrás. Meio sem graça, tentou puxar assunto. Mas eu já estava cansada. Disse que ia embora.
Ele me acompanhou até o ultimo minuto do caminho até a saída. Pensei: agora vai.

Eu vi tudo em câmera lenta, a ansiedade contida, sua mão sem saber o que fazer, o rosto dele vindo em minha direção na hora da despedida e o mais importante: nenhum amigo bêbado em volta para atrapalhar. E então, chegando mais perto ele me disse: - Me passa seu msn, pra gente conversar mais.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Deusa da Teimosia

Parece que estão me avisando de um novo ciclo. Uma mudança. Uma nova fase em minha vida. Mas eu não estou me sentindo bem com isso. Estou dando às costas aos deuses, porquê sua previsão não me agrada. Percebo que não está certo fugir do que é previsto. Embora, se o que define o aceitamento seja desistir, talvez os deuses não sejam tão sábios assim.
Quero possuir o poder da mudança, sei que eu tenho em algum lugar dentro de mim. Eu continuo há existir, não? Acredito que seja devido a mim, devido às minhas conquistas até hoje. Essa vida toda foi um desafio, então, eu posso mudar o que foi previsto. Mesmo porquê, eu sou a Deusa da Teimosia.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Carta ao vidente

"Agora, eu me encrapulo o máximo possível. Por quê? Quero ser poeta e trabalho para tornar-me vidente: Você não compreenderá nada e eu quase que não saberia explicá-lo. Trata-se de chegar ao desconhecido através do desregramento de todos os sentidos. Os sofrimentos são enormes, mas é preciso ser forte, ter nascido poeta, e eu me reconheci poeta. Não é de modo algum culpa minha. É errado dizer: Eu penso: dever-se-ia dizer: sou pensado. — Perdão pelo jogo de palavras. "

Arthur Rimbaud

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Nós, os passionistas, somos também..

..preguiçosos. Você já parou para pensar como a preguiça atrasa as nossas vidas? Atrasa a nossa evolução. Veja só: somos capazes de votar em qualquer candidato (um que você nem lembra o nome, só foi com a cara) ou simplesmente não votar por preguiça. Sabe preguiça de tentar o mundinho em volta. Perto da sua casa ou a sua cidade, estado e país. Mas o intrigante mesmo é que podemos ser assim e ao mesmo tempo sermos tão passionais em questão as outras pessoas. Pode ser no trânsito dando ao menino de rua uma gorjeta ou dando um prato de comida ao senhor que pediu na frente do portão de sua casa, ou até uma cesta básica doada de coração para uma família desconhecida. Ajudamos um e damos às costas ao monte. Qual o motivo? É correto? Sim, eu acredito que sim. Uma vida tem um valor inestimável. Que nós meros humanos não somos capazes de imaginar. O fato de ajudar o próximo ou na verdade, o mais próximo não diminui o tamanho da atitude. Nós ainda vemos as coisas muito no preto e branco. Pensamos tão racionalmente que vemos tudo como um todo, as pessoas mesmo, por exemplo, como um todo. Não olhamos para cada um. Concluo que o mais fácil seja ajudar o próximo, isso engrandece. Nos engradece moralmente e isso é objetivo não?

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Em meu diário estava...

Estou irada. E não como uma gíria barata. Mas com a ira, a ira sim. Um dos pecados capitais. Ora, que se dane se peco. Eu não vim parar nesse mundo por ser exatamente um humano "perfeito". Porque sabe, às vezes, eu me perco. Me descontrolo, choro, bato o pé e choro denovo. Que nem hoje. Na verdade, não quero falar sobre isso. Embora não paro de pensar. A pressão me distorce, me desafia, na verdade acho que ela me abre por inteira. E eu não sei como reagir à isso. Então, fico nervosa e digo coisas sem pensar. Ela me faz voltar ao começo, volto para minha origem e desaceleraro meu processo. Pareço não saber quem sou. Não consigo nem pensar em uma boa palavra desse jeito! Me deixo levar por ela. Mas, que doninha! Será que não existe um modo detê-la? Sei lá. Colocá-la em uma gaiola e mandá-la calar a boca! Porque veja só; parece que ela que faz isso comigo, gosta de brincar de lobo mau. E eu não sei se já passei de ovelha ainda. Tá, é vergonhoso dizer. Mas, mais vergonhoso é não admitir. Não admitir que estou brava, que não sei o que fazer, que peco e que nesse momento eu não estou entendendo o que o cara lá de cima está tentando me passar. Essa pressão para me ensinar algo está me deixando mais confusa do que devia. E eu só queria uma mensagem mais clara.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Imitadores da vida

Existem artistas de rua, da tevê, do cinema e da escola. Hoje, "artista" pode ser qualquer um. Vemos alguém fazendo coisas incomuns e essa coragem nos é passada como arte. Embora, eu não acredite que todas as coisas incomuns valem como arte.
Na Grécia Antiga, por exemplo não havia a idéia de artista no sentido que atualmente a empregamos, uma vez que a arte estava integrada à vida. Mas hoje, o nosso conceito de artista é uma pessoa polêmica. A vida pessoal de alguém faz tanto sucesso que esta é considerada uma "artista". Se esqueceram que a arte imita a vida. Artistas a usam como uma forma de passar os sentimentos que a vida nos dá. Pode ser com um objeto de apreciação, uma foto ou um escrito.
Acredito que artista seja aquele que esteja sempre articulando novas situações, nadando contra a correnteza, sem nunca se contentar em se entregar ao que foi embutido e buscando sempre a poesia atrás das coisas. Não há o que divagar. A vida é a inspiração para a arte, isto é fato e fim de papo.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Relações benéficas

A amizade é uma forma de desenvolvimento. Compartilhando nossas idéias chegamos ao ideal. A amizade nos dá um espaço para discutirmos e argumentarmos sem a competição do cotidiano.
O Individualismo que vêm se expandindo não nos embuti o esquecimento do conceito amizade. Acredito que este nos empurra naturalmente para uma uma seleção mais crítica antes para iniciar uma nova amizade. Estamos em mudança, vemos agora as pessoas com os olhos mais críticos.
Hoje, com a globalização, a internet e a rapidez temos a chance de conhecermos lugares sem sair de casa, aprendermos sem ir à biblioteca e conversarmos com pessoas do outro do lado do globo sem viajar e consequentemente com isso ampliamos o nosso círculo social. Podemos perceber que atualmente possuímos mais colegas que amigos. E essa impessoalidade mal vista pela sociedade, na verdade é o que move o mundo. As idéias compartilhadas com novas pessoas é um dos caminhos para a evolução.
É fato que precisamos da comunicação para o conhecimento e informação, por isto, o convívio social é importantíssimo para a evolução humana. Seja ela pessoal, interpessoal ou impessoal.
Não acredito que a amizade será extinta pelos novos valores da sociedade, esta será naturalmente transformada em outras formas de relações para o desenvolvimento humano.
.
.
.
Esta é uma da redação que fiz para a aula de redação, cujo o tema era mais ou menos esse: A amizade é uma relação que tende a acabar com os novos valores impostos pela sociedade?
Espero que gostem e pensem nisso!

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Confissões de minha vida

Como é bom conseguir aprender consigo mesma. Hoje eu consigo exercitar minha menter à meu favor. Mesmo quando acho que vou tomar a atitude errada, eu tenho aquela voz, tipo Deus, dentro de mim que me influencia a pensar duas vezes antes de fazer. O difícil é que isso vem com o tempo, é preciso paciência, é preciso querer aprender a usar a voz da razão. Às vezes ela soa como uma velhinha fofoqueira de canto de orelha, mas é pro nosso próprio bem. Não é a toa que dizem que os mais velhos são mais sábios. E não estou dizendo que estou mais velha e sim mais madura. Madura com a vida, com o jeito que eu estou vendo a vida agora. Sinto que posso arrumar o que está errado, que posso melhorar algumas coisas. Sinto que tenho esse poder de mudança dentro de mim. E me sinto ótima. Me sinto ótima em saber de toda essa capacidade que eu tinha e que hoje consigo usá-la bem.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Shhh...

Eu tenho algumas músicas secretas. Algumas delas estão guardadas ainda na mente e outras deixadas no chão do meu quarto. Penso que se deixar tudo exposto, ficarei nua. E não gosto dessa sensação. É irônico, mas, às vezes, me sinto mais livre com a mente escondida.
Existem alguns pensamento ou idéias que são nossos e de mais ninguém. Todo mundo precisa guardar um pouco de si mesmo. Senão, perde a graça. É como nosso mais valioso tesouro, aquela sensação gostosa de pensar o que quiser, mesmo porque ninguém lê pensamentos, né?
Não me entenda mal, acho que o que o mundo mais precisa no momento são boas idéias e seria egoísmo não compartilhá-las. Mas estou falando das idéias líricas, sinceras, momentâneas, sentimentais...como você queira chamar. Aquelas que parecem que não foram pensadas antes de sentir, que foram assopradas de canto na orelha com um propósito desconhecido. E nos deixam acreditar que naquele momento podemos mudar o mundo. E não o mundo como: a fome na África, o desemprego, o aquecimento global. E sim o nosso mundo interior. É o momento em que você olha para dentro e vê toda a capacidade que tem para ser alguém melhor. Que sim, podemos aprender com o que já erramos, e aceitar o conselho que já recebemos. Esta é a melhor música que guardo dentro de mim. Esta é a música do meu aprendizado.

sábado, 24 de maio de 2008

Errar por errar.

Trégua! Trégua! I can do this anymore. Não aguento mais ver que ao invés de cuidarmos da nossa própria vida também cuidamos das dos outros. As pessoas insistem em opinar, em botar o dedo onde não foram chamados e brincar de espiões, esquecendo que enquanto mais tentam viver a vida dos outros, esquecem-se da sua. E o caos vem à tona quando você volta a olhar.
E eu não vim parar nesse mundo para me preocupar com essas coisinhas, que eu sei, que nós sabemos, que não vamos aprender nada com isso.
Eu sei que o mundo é doido assim mesmo, mas é só porque não sabemos o lugar certo onde o botar o pé. Eu não quero pisar em falso, correr atrás do que não merece e chegar a um nível que seja digno de dó. Eu procuro maturidade, retroceder não faz parte do plano. Mesmo que já tenhamos feito uma intriguinha ou uma fofoca barata é uma coisa aceitável. We're still animals, but the problem is: sabermos o certo e continuarmos fazendo o errado. E continuar no erro é inaceitável.

quinta-feira, 22 de maio de 2008

John Powell disse um dia:

"Para compreender as pessoas devo tentar escutar o que elas não estão dizendo, o que talvez elas nunca venham à dizer. Os pensamentos são mais complexos que as palavras, por isso deveriam ser mais temidos."

terça-feira, 13 de maio de 2008

Gloria

Jesus morreu pelos pecados dos outros não pelos meus
Derretendo na maconha de ladrões
Selvagem cartão sobe em minha manga
Grosso coração de pedra
Meus pecados meus próprios
Eles pertecem a mim, mim

Pessoas dizem "Cuidado!"
Mas eu não me importo
As palavras são somente
Regras e regulamentos pra mim, mim

Eu adando no quarto, você sabe eu pareço tão orgulhosa
Eu me movendo nesta atmosfera, bom, qualquer coisa é permitida

E eu vou para essa festa aqui e eu somente estou entediado
Até que eu olhei pra fora da janela, vi a doce joven coisa

Corcovando na estacionamento relogio, aprendendo no estacionamento relogio
E oh, ela pareçe tão boa, ela pareçe tão legal
E eu senti este louco sentimento e então eu vou ah-ah fazer ela minha
Ooh, eu vou colocar meu feitiço nela

Aqui vem ela
Andando pela rua
Aqui vem ela]
Entrando atráves de minha porta
Aqui vem ela
Subindo meu degrau
Aqui vem ela
Valsando atráves do corredor
Num lindo vestido vermelho
E oh, ela pareçe tão boa, ela pareçe tão legal
E eu senti este louco sentimento e então eu vou ah-ah fazer ela minha

E então eu ouvi isto batendo em minha porta
Ouvir isto batendo na minha porta
E eu olhei pra cima para a grande torre relogio
E diz, "oh meu deus, aqui é meia noite!"
E meu baby está andando atráves da porta
Aprendendo em meu sofá ela sussura para mim e eu peguei o grande feitiço
E oh, ela pareçe tão boa, ela pareçe tão legal
E eu vou contar pro mundo que eu fiz somente ah-ah ela ser minha

E eu disse querida, conte-me seu nome, ela me contou seu nome
Ela sussurou para mim, ela me contou seu nome
E seu nome é, e seu nome é, e seu nome é, e seu nome é G-L-O-R-I-A-A-A-A-A-A...

Eu estava no estadio
Havia duas mil garotas gritando seu nome fora eu
Marie e Ruth mas para dizer a verdade
Eu não ouvia elas eu não via
Eu deixei meus olhos subir a grande torre do relogioe eu ouvi milhares de sinos batento em meu coração ding dong ding dong ding dong ding dong.
Contando o tempo, então você pode vir pro meu quarto
E você sussurou para mim e nós olhamos o grande mergulho
E oh, você estava tão boa, oh, você estava tão legal
E eu vou contar ao mundo que eu fiz ela ser minha
fiz ela ser minha
fiz ela ser minha
fiz ela ser minha
fiz ela ser minha

G-l-o-r-i-a gloria g-l-o-r-i-a gloria g-l-o-r-i-a gloria G-l-o-r-i-a gloria

E os sinos da torre tocam, "ding dong" eles tocam
Eles estão cantando, "Jesus morreu pelos pecados dos outros não pelos meus."








Patti Smith estava inspirada quando a escreveu. Hoje eu faço dela as minhas palavras.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Contida.

Engasgam-me minhas palavras.
Me tiram a personalidade.
Me deixam sobre a pele um fino plástico transparente.
Mas eu o sinto escuro sobre mim, cor preta.
Meus lábios se trincam ao ouvir os risos.
Não há vontade para se falar.
Às vezes, nem para se impor.
Estou só o corpo, levado pelas ondas.
Tenho vergonha, mas não mudo de lugar.
O capital vale mais do que me expressar.
Só me faço contente quando este chegar.
Só quando este chegar.

sábado, 3 de maio de 2008

Ilusões do contidiano

O mundo roda. Certo? Mas ele sempre passa pelo mesmo lugar. Essa história de que não devemos nos prender à nada para não nos machucar é desculpa. Dessas bem esfarrapadas. Essa falta de comprometimento vem de uma filosofia vã. Enquanto pensamos que estamos nos poupando, que estamos sendo mais espertos, continuamos no jogo. Porque querendou ou não, você está comprometido ao não comprometimento. O medo de ser inteiramente livre, cria a ilusão que o fast-food é a nossa saída. Saída para uma ferida ou uma lágrima... Mas pense bem: O corajoso não é quem escolhe ficar no mesmo lugar e sofrer as consequências? Porque ele sabe, quando o mundo voltar para ele, este será mais forte. Pelo simples fato de ter passado por ele antes.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

E a ironia sempre presente em minha vida...

É lógico que sou pró-vida. Não sou só porque uso pílula?

I'm miss world. Somebody kill me, please?

Meu amor de braços cruzados no canto da sala. Olha-me nos olhos querendo dizer algo. Eu sei bem o que é. E não preciso ficar nua na frente dessas pessoas. Eu não as conheço! Ninguém tem o direito de dizer minhas verdades. Essa é minha tragédia e os outros são cegos para vê-la. Os meus segredos são meus. Você saberia cuidar deles por mim? Como eu cuidei dos seus meticulosamente? I don't think so. Está nas minhas pernas, subindo pela minha boca. A minha mentira me deixa sentir um pouco do que você não queria. Do que você nunca quis.

domingo, 20 de abril de 2008

Me deixe com essa deixa, com seu último pensamento, sua última fala. Vá embora! Quero ouvir a porta ranger. Quero ouvir os gritos na saída. Já ensaio essa briga há algum tempo. E hoje, eu vou até o fim.

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Um filme de Daniela Medeiros

Parte - 2

Terminado o jantar, ela recolhe os pratos e os deixa de banho na pia. Então, vai para o seu quarto. No corredor da casa algumas fotos antigas, uma moça muito bonita em uma praia, um retrato de uma família:mamãe, papai, filhinho e filhinha. Daniela passa os olhos rápido pelas fotos e entra no seu quarto. Na sua cabeceira, um colar de pérolas, algo que com o salário dela e do marido juntos não poderiam comprar. Ela, então, para entretida com o efeito da luz sobre as pérolas. - Você vai tomar banho? diz o marido quando entra no quarto. Ela responde que não, então põe seu pijama e deita na cama, pensa duas vezes se devia retornar ao seu livro, Adélia Prado era o que ela estava lendo, mas o cansaço responde que não, e assim ela adormece. Em um cavalo branco ela se vê sentada, ao seu redor uma floresta bonita, tão clara que quase não consegue ver nada. Não há com o que se preocupar em um lugar assim.


to be continued...

sábado, 29 de março de 2008


O esquecimento não é mesmo o maior presente dos deuses? A liberdade conquistada não é o gostinho do que realmente é a vida? Esta só é conquistada com o desprendimento. Então, esqueça, esqueça-se de tudo. O ruim já não importa. Já fizemos nossa história, vamos pensar na próxima. Se proponha agora como causa interno de seus sentimentos íntimos. Desmanche seus pensamentos, deixe sua mente no branco, feche os olhos e esqueça.

sexta-feira, 28 de março de 2008

Não se pode obter paz evitando a vida.

segunda-feira, 24 de março de 2008

Limite esdrúxulo.

Irrelevável me desdobrar.
Nunca saberão quem sou,
se posso amanhã mudar.
Sou até agora o que sobrou.

De ontem, e anteontem...
E de amanhã, quem sabe
o que será?

O ruídos dos carros na esquina
A cegueira que tráz o clarão
A mente de uma grande menina
Que acabou de usar o não.

Me proponho agora ao limite.
Não terei medo do desconhecido.
Já me foi concebida a liberdade.
Vou atrás do que me foi excluído...

Me defino então,
sou o que me dá vontade.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Romance

Calaram-se por um instante.
O silêncio se fez importante.
Os olhares foram certeiros
para os amantes trapeiros.

Vinganças sem mentiras.
Respostas sem palavras.
Desculpas sem culpas.

Sinceramente não foram.
Profundamente se amam.
Cegamente se perdoam.
Lentamente se definham.

quarta-feira, 19 de março de 2008

segunda-feira, 10 de março de 2008

Faça uma forcinha.

Quantas vezes podemos confiar em uma pessoa? Ao senso comum, uma vez só. Mas, na prática sempre é diferente. Quanto tempo devemos esperar o outro mudar? Aliás, diga-me: existe mudança nas pessoas? Por um tempo eu acreditei cegamente que sim. Que o objetivo da minha vida, da sua vida, da dele era a evolução. Era expandir sua própria mente. Fazer uma forcinha para ser melhor. O problema é que em alguns casos a mudança é impossível. O conteúdo próprio é inatingível. É como enganar a si próprio querer ser outra coisa. É enganar alem de si, os outros. E os outros não merecem a mentira sincera. Sincera porque ela vem da bondade mas esconde a realidade para não ir além do machucado. Percebi que infelizmente as pessoas não mudam. Mas não se engane. Os seres humanos melhoram sim. Pode levar um tempo, alguns tropeços, algumas perdas. O que falta na nossa sensibilidade para entender isso. É que para a mudança devemos nos esquecer da rotina. Ver a vida além dela. Perceber-se nela. Colocar-se como causa interna de seus sentimentos sem infringir na liberdade do outro. Lembrar-se todo dia do que realmente nos importa. Quando nos encontrarmos estaremos livre da culpa, da mente, da rotina e da mentira.

sábado, 8 de março de 2008

Nossa última música.

Eu tive medo por tanto tempo, quando o pesadelo realmente veio eu nada senti.
Me sinto vazia. Pois hoje não tenho mais medo, mais desejo, nem mais cor. Perdi minha alma. Meu corpo pede cama, mas eu queria balas. De festim não, essas me lembram festa. E pra mim, comemorar sem esperança não faz sentido, meu amor.

domingo, 2 de março de 2008

Ela é...

uma pisciniana autêntica, ela gosta de ler e contar histórias. Se apaixonou pelas crianças e assim se tornou o seu trabalho há mais de vinte anos. Nunca vi pessoa mais tranquila, na maioria das vezes isso até me irrita. Mas eu fico pensando se ela não fosse assim essa casa ia ser uma guerra. Eu lembro que quando eu e meu irmão tentava se matar no banco de trás no caminho da escola, ela simplesmente colocava uma coletânea da Rita Lee, e logo no "Lança menina, lança todo esse perfume..." nós parávamos na hora só pra poder cantar. Ela sempre me surpreende. Quando eu acho que não preciso de conselho, ela tem um que arruma a minha vida. Mesmo quando eu a decepcionei, ela sempre estava do meu lado. Até quando minhas idéias a asssustavam. (E olha, que foram muitas.) Às vezes, papai e eu tiramos sarro do que jeito que ela fala. Mas é porque é bonitinho, engraçadinho, inhho, inho. Ela parece minha melhor amiga, minha companheira de tevê. Incrível como ela entende todas as piadinhas. Nós brigamos bastante, mas sempre nos divertimos mais. O que eu quero dizer mesmo é que eu tenho sorte de ter ela em minha vida, muita sorte. Dá pra ver a pessoa boa que ela é só pelo seu sorriso, e acho que no mundo de hoje isso é difícil. De coração espero que você seja mais feliz do que você já é, mãe.

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Me desculpe, mas eu tive que mentir para viver.

Acho que perdi o tempo de me colocar de pé. Fico me perguntando se um dia acharia o momento. Eu tenho certeza que eu não o deixei escapar. Ele ainda não veio para mim. Na verdade, acho que eu nunca acharia esse tempo, ele nunca foi me permitido. Acho que meu cansaço nunca esteve tão aparente. Já não sei mais qual o plano usar para respirar. Nunca aceitei o que me foi imposto. Usei violência nas palavras e não obtive nada, nem com a minha paciência fingida consegui abrir suas mentes. Eu não sei se o caminho é certou ou errado. Mas a minha melhor saída foi a mentira.
"O que eu queria capturar é o olhar no rosto de uma mulher enquanto ela está sendo coroada, meio que, extasiada, delineador azul escorrendo, tipo 'eu, eu sou... Eu venci! Eu venci! Tenho pomada sob os olhos e fita adesiva na minha bunda e tive que fazer de tudo, mas eu ganhei o Miss Simpatia' e é a enojante essência dessa cultura que eu quis capturar." — Courtney Love em 93-94, falando sobre a capa do Live Through This

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Minha vida sem mim.

Esta é você.
De olhos fechados na chuva.
Nunca pensou que fosse fazer algo assim.
Nunca se viu como...não sei como descreveria,
como uma dessas pessoas que gostam de olhar para a lua
ou que passam horas contemplando as ondas ou o pôr-do-sol.
Deve saber que tipo de pessoas estou falando. Talvez não saiba.
Seja como for, você gosta de ficar assim lutando contra o frio e
sentindo a água penetrando por sua camisa e tocando sua pele.
E da sensação do chão ficando fofo debaixo dos seus pés. E do cheiro. E do som da chuva batendo nas folhas.
De todas as coisas que estão nos livros que você ainda não leu.
Essa é você. Quem teria imaginado...você.
video

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Virginia Woolf já dizia:

Se você não contar a verdade sobre si mesmo, não pode contar a verdade sobre as outras pessoas.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Estou começando a ver a luz.

Sou da religião dos ateus de fazer o bem pelo próprio bem.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Dançando no escuro.

Aonde foi que coloquei meus pés? Debaixo da areia movediça que foi criada afim de me matar. Então, aonde deixei o medo? Pra me pôr contra minha vontade, até mesmo contra a coragem. Sim, porque coragem mesmo está nas pessoas que não desistem. Acho que fui longe demais, quebrei a parede invisível da vida, achei-me no lugar mais fácil da terra. No meu esconderijo perdido da mente. Minhas fantasias irreais, com uma beleza natural cegavam-me. E me deixei levar, porque eu via uma saída. Veja só. Saída pra vida? E eu pensava que era só de ida. O que eu não entendia é que por mais que a vida fosse minha, não tenho o direito de dar um fim nela. Quando me dei conta disso, felizmente não foi tarde demais. A luz não demora para chegar quando estamos sóbrios. Um grito saiu de mim: Me deixe sair! Até imagino a cara de Deus quando me ouviu. Um tsc, tsc na cabeça e um sorriso de canto na boca, me deu outra chance, outra música. Aprendi hoje que só é a última música se pararmos de cantar.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

De que umbigo eu posso realmente cuidar se não for do meu? O umbigo é o símbolo do alimento interior, é por onde eu me nutro de mim mesma. Ninguém pode fazer isso por mim depois que acabou o tempo da barriga-da-mamãe.

sábado, 19 de janeiro de 2008

Mulher é um bicho estranho, sangra todo mês..

Mulher é um bicho estranho, já dizia Rita Lee. Nós nunca nos expressamos direito. Às vezes, dizemos que os homens são burros, que não valem nada. Mas, nunca damos o necessário para que eles ajam de outra maneira. Vou me explicar melhor. Quando queremos que eles se apaixonem por nós, damos um jeito de não terem a mínima noção se estamos gostando de sua companhia, fazemos cara feia e não telefonamos no outro dia. Me desculpem os homens, mas eles são um pouco devagar em questão de relacionamento, se eles vêem esses tipos de sinais não entendem que o queremos dizer é totalmente ao contrário. Mudando de assunto:
E quando estamos na sala de aula e uma menina te dá um olhar de desprezo e depois de 5 minutos vêm conversar com você, ao invés de tratarmos-a de acordo com sua atitude, fazemos o contrário. A tratamos como nossa melhor amiga. Mulher tem uma mente perigosa. É até irônico ver pessoas dizendo que mulher é frágil, precisa de proteção ou algo do tipo. É lorota. Eu que sou mulher, sei muito bem que se precisamos de proteção é para matar a barata que está debaixo da nossa cama e só. Mulher é um bicho estranho porquê parece que do mesmo jeito que quer ter seu espaço, se subestima automaticamente. Isso deve ser culpa da história do sexo feminino. Mas sem mudanças não há evolução. As mulheres encontraram na indiferença sua arma, na sua mente as suas balas. O que eu não quero que percamos é a nossa feminilidade só pra nos mostrar auto suficientes. Nem mulher, nem homem precisa se afastar do que é para mostrar que é capaz.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Coma sua vida.

Veja homem debochando de sua casa. Veja toda essa tristeza escondida por trás de sua comida. Saudável ou não. Ninguém precisa saber quantas calorias, a fábrica ou a validade. Todos nós estamos fartos dessa história. Não queremos saber do limite, não queremos saber da conquista, queremos o resultado. O produto embalado em um papel bonito, quase sorrindo para alguém comprá-lo. Levá-lo pra casa e devorá-lo. A comida nos parece sempre a saída, fome de de destroir, fome de amar, fome de descansar. Nosso estômago pode explodir, no entanto temos que estar comendo. Nossa comida de de papel descartável, nosso amigo de alma invejável. Mas, que burrice a minha! Confundi a vida com a comida!

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Indo para a guerra.

Eu perdi minha voz. Agora deixo com o tempo fazer me gritar. Acho que fui envenada, mas alguns me dizem que fui abençoada. O que me preocupa é meu final. Eu procuro não pensar nele, procuro não me pôr no meu lugar. Eu passei pelo nervoso, pela culpa, pelo mal. Algo de bom agora tenho de passar. Me vejo como caçadora da vida. Olhando para as estrelas para não pensar no pior. Acreditando sempre no bem e no melhor. O que essa alma promete que me faz cega? Está tudo enfatizado na poeira dos meus olhos. Ou é luz? Não que eu tenha medo, o medo não me faz bem. Se eu tenho medo, é da burrice. Fico me perguntando se estou à espera de um milagre...Pelo menos dessa vez aqui na terra, vou olhar de outro jeito. Com meus binóculos invisíveis para não verem as lágrimas, com minha roupa camuflada para não verem as marcas, com meu coração pintado de cinza para não verem dentro dele minhas feridas.